All posts filed under “Flashfiction

comment 0

O Conserto do Sol

Essa ficção relâmpago foi publicada no episódio 14 da segunda temporada da Faísca, uma newsletter semanal que traz contos curtinhos de fantasia e ficção científica para a sua caixa de e-mails. Não conhece? Assina logo! É de graça! O link é eepurl.com/ghH89v

Com um lenço, o rei enxugou o suor das têmporas e bradou, impaciente:

— O povo não aguenta mais tamanho calor! Temos que consertar esse maldito sol!

O monarca voltava de seu passeio matinal em uma liteira espaçosa, coberta por cetim e equipada com sopradores de ar movidos a nióbio. Desde o ano anterior, o segundo sol de Bozânia havia decidido que não se esconderia mais atrás dos anéis de ametista, o que tornou o verão insuportável. Os dias perderam o colorido violeta e ganharam um matiz esbranquiçado e ardente, fazendo os operários desmaiarem nos andaimes e os feirantes esconderem suas tendas nas sombras.

O vizir, que acompanhava a procissão a pé, olhou com desconfiança para o monarca, vendo-o gesticular enquanto continuava falando:

— Zorique — o rei o chamou —, reúna os feiticeiros mais proeminentes do mundo e ordene que me tragam uma solução para acabar com esse inferno!

Com uma expressão obediente e apática, o vizir assentiu e virou na primeira esquina para providenciar o feito.

Foram dezessete noites até os feiticeiros chegarem ao palácio. O primeiro que entrou no salão de audiências foi Erifre Ópula, com óculos pesados na ponta do nariz e uma barba branca que ia até a barriga. Curvado, mas com olhos brilhantes, vestia uma túnica escarlate e portava um cajado com uma estrela de ouro. Ele contou ao monarca que o destino dos astros era inalterável, e que tudo o que podiam fazer era amenizar o sofrimento do povo, dando-lhes telhas de barro para cobrirem suas casas e menos horas de trabalho por dia. Erifre prometeu um feitiço que adiantaria os relógios do reino, fazendo o dia começar antes do nascer do sol. Assim, os operários trabalhariam no frescor do fim da madrugada e descansariam após o almoço.

Com a tez rubra de indignação, o rei apontou para ele e gritou:

— O senhor comprometerá o orçamento do reino! Quer tornar meus operários vagabundos? Só pode estar interessado em derrubar o meu reinado!

O rei mandou prender o feiticeiro. Os guardas prontamente cercaram o sábio e o levaram embora. O vizir então mandou entrar o segundo feiticeiro, cujo nome era Meruteki Onira. Ele entrou vestindo um chapéu decorado com penas de diferentes pássaros e uma túnica feita de palha e couro. As pinturas em seu rosto — flores e animais coloridos em vermelho, azul e branco — moviam-se conforme ele falava. Profetizou que o sol só voltaria a se esconder nos anéis de ametista quando o reino devolvesse cor ao solo e brilho às águas dos rios. 

O rei encarou Meruteki com o olhar azedo e a boca torta. O feiticeiro ainda prometeu derramar centenas de sementes pelo reino, e também um feitiço que as faria germinar e crescer em poucos dias para trazer sombra às ruas e frutas frescas o ano inteiro. O rei voltou a esboçar um sorriso, considerando a proposta. O feiticeiro esclareceu, entretanto, que havia uma condição para que o feitiço perdurasse: nenhuma árvore do reino poderia ser cerrada, ou todas as demais também morreriam. O rei torceu o nariz e bradou:

— E como terei madeira para erguer meus andaimes ou alimentar minhas forjas? Quer falir meus mercadores e acabar com a economia do reino? Pretende enfraquecer o meu poder para depois tomá-lo!

Novamente, o rei mandou prender o homem sábio, que foi retirado sob a mira de lanças. O vizir então trouxe o último feiticeiro, chamado Cálavo d’Orvalho. Ele tinha a boca murcha, torta para baixo, e um olho miúdo que parecia não enxergar muito bem. Vestia uma roupa preta opulenta, de camurça e veludo, que indicava que, embora vissem sua imagem, ele não estava ali presente de verdade. Devia viver em um reino frio e distante, e enviara apenas seu espectro, transmitido por algum feitiço à distância.

Cálavo olhou com altivez para o monarca e explicou que o fenômeno solar atípico era uma invenção dos inimigos do reino, que haviam feito uso de uma magia conhecida como falsos sortilégios. Somente quando o rei aniquilasse seus opositores é que o sol voltaria a se esconder nos anéis de ametista. Em seguida, ele propôs que, até que os inimigos fossem exterminados, o rei distribuísse peneiras de palha quando o povo reclamasse do calor.

— E não me oferecerá nenhum feitiço? — perguntou o rei.

O feiticeiro sorriu, presunçoso, e pediu que seus serviçais trouxessem seu presente. Eles adentraram o salão com uma enorme urna feita de carvalho. Cálavo explicou que, muito mais valiosa que um feitiço, ele trazia a mitológica caixa de Asinus. Segundo ele, era tudo de que o monarca precisava. A partir do momento que fosse aberta, a caixa disseminaria a inépcia pelo reino, e o povo iria aplaudi-lo e apoiá-lo sem objetar. O rei não entendeu do que aquilo se tratava, mas ficou entusiasmado com a ideia.

— Mas todos serão abençoados com a inépcia? — perguntou ele.

— Só aqueles que não a têm — sorriu o feiticeiro.

Satisfeitíssimo, o rei mandou instalar a caixa ao lado do trono, e também que a abrissem imediatamente. Mandou equipar o exército com as melhores armas e ordenou que os soldados caçassem seus inimigos. Aos demais… deu peneiras para taparem o sol.

comment 0

Janela do Caipora

Era uma goiabeira seca, retorcida e cinzenta. O capim ao redor estava crescido e esturricado pelos meses sem chuva. Os olhos astutos do rapaz se concentravam nas penas coloridas do pequeno canário solitário, que cantava lindamente, empoleirado no galho mais alto da árvore ressequida no topo do monte. Suado, com uma mochila cheia de biscoitos, uma garrafa de alumínio amassada e galochas grandes para os seus pés, o menino estava agachado no mato, observando. 

Silenciosamente, soltou uma alça da mochila e tateou algo amarrado na lateral da bolsa. Era uma arapuca formosa, dessas que vendem na cidade, lixada e envernizada, feita de bambu e eucalipto, para não falar do elástico afiado que abaixava o alçapão assim que um pássaro se aventurasse a pousar no poleiro. Quando desfez o laço, o rapaz se descuidou e a gaiola despencou do alto, fazendo um estardalhaço ao cair no chão. O canário voou e o vento assoprou o capim como quem acorda assustado de um cochilo após o almoço. 

O rapaz teve um calafrio ao notar algo por perto. “Um bicho escondido no mato?”, pensou. Jurou vê-lo se movendo adiante, vindo espia-lo. Novamente, ouviu um barulho — parecia grande. Assustado, o rapaz correu morro abaixo sem notar que a mochila havia caído. Precisava fugir, mas não se preocupou com o caminho e seus olhos se cegaram diante do capim de mais de dois metros, embora o medo fosse seu maior obstáculo. Sentiu um arrepio quando percebeu que o bicho se aproximava, ganindo desafinado. “É uma onça”, pensou, “ou o diabo”.

Ele não soube se rolou pelo pasto ou se o mundo que deu uma volta sobre ele, mas finalmente alcançou a várzea silenciosa e deixou o capinzal para trás. Os bois que pastavam lhe olharam com curiosidade ou desdém, ruminando. Ofegante, teve um novo sobressalto quando alguém o tocou no ombro. Deu um grito agudo e covarde que lembrou o som de um rádio velho mudando de estação. 

O camponês com a pele morena, arruinada pelo sol, olhou para ele com desconfiança, tirou o chapéu de palha para enxugar o suor e a sua cabeleireira cheia brilhou como fogo. “Era só um porco-do-mato”, falou o homem, indicando o capinzal com o queixo e o rapaz respirou aliviado. Apoiando-se em uma vara comprida, o homem convidou o rapaz a segui-lo.

Foram até um casebre, numa grota perto do rio. Com fome, o menino se lembrou do pacote colorido de biscoito que havia deixado na mochila, agora perdida no mato. O homem deu-lhe uma caneca d’água e acenou para que se sentasse. O rapaz obedeceu e matava a sede com um gole comprido, quando foi interrompido por um latido no quintal. Alguns cachorros descansavam por perto e, ao lado deles, estava a arapuca formosa, escangalhada. “Algum cão a trouxe para cá”, pensou o ingênuo rapaz. Ele foi ao quintal e pegou a pequena gaiola com entusiasmo. Avistou a goiabeira solitária no alto da montanha e mordeu os lábios, cobiçoso.  

“O que tem lá?” o camponês perguntou e o menino descreveu com afobação o pássaro que queria pegar. Pretendia exibi-lo na janela do seu apartamento e todos na cidade ouviriam o seu lindo canto. O homem apenas balançou a cabeça, intrigado. “Se ainda tiver medo, levo você lá”, ofereceu, despretensioso. 

Acanhado, o menino sentou-se no banco e bebeu mais água. Recostou na parede fresca e ouviu o som do riacho, experimentando a sensação prazerosa de alívio por ter se salvado do porco-do-mato. Descuidado, sua cabeça pendeu para o lado e ele adormeceu.

Despertou no escuro, sentindo o mundo balançar, e ergueu a fuça para ver a luz do dia. Seus pequenos olhos notaram que estava enjaulado e, além das grades de bambu que o cercavam, o mundo parecia ter crescido. O mais estranho, contudo, era testemunhar a sua alma espremendo-se num corpo diminuto, desconfortável, enquanto se equilibrava no poleiro da gaiola. Desorientado, tentou gritar, mas foi um silvo longo e delicado que emitiu da garganta. Olhou para o horizonte através das grades, viu a goiabeira seca e lembrou-se dela. Ele a desejava. Não se recordava por que, mas seu coração exultava por se aproximar dela.

Os galhos da árvore sem vida se estendiam para ele como braços que, em uma faísca de memória, achou que tivera um dia. Sua alma havia se acomodado, afinal. Deixado a poucos metros do tronco seco, ouviu o rangido do alçapão que o separava do céu azul se abrindo. Instintivamente, eriçou as asas, voou até a goiabeira e pousou no galho mais alto, exultante. O mundo ali de cima era soberbo e ele quis gritar para todos ouvirem como era belo o que via. De sua garganta nasceu o canto mais lindo, que fez o vento despertar, atrasado, fazendo o capim se curvar de melancolia.

◼︎

Gostou do conto? Compartilhe. Se preferir, ele também está publicado no Wattpad. Vai lá e dá uma estrelinha 😊 https://www.wattpad.com/839273262-janela-do-caipora

comment 0

Pacto com Sereias

Um magistrado prepotente navega em busca de fortuna, indiferente ao aviso dos velhos amigos marinheiros: naquelas águas há sereias que farejam a ganância. Quando a lua revelar o mistério sob as águas, deflagrará também a verdade no convés do Correnteza, numa viagem audaciosa de uma mulher em busca de um sonho idealista.